Conecte-se conosco

Polícia

Erechinense é presa após ajudar companheira matar patroa por dinheiro

Publicado

em

A erechinense Adriana Lúcio Bianchi de foi presa no dia 30 de novembro, ela teria ajudado a sua companheira, matar Liduina Maria Júnior Rios, de 60 anos que era uma servidora aposentada da Assembleia Legislativa do Ceará. O corpo do vítima foi encontrado pelo filho. Adriana era moradora da vila União, em Erechim, um últimos anos em que esteve no Rio Grande do Sul, ela residiu no município de Barão de Cotegipe e Áurea, ela havia se mudado para Ceará a alguns meses.

A companheira de Adriana, trabalhava como diarista na casa da vítima, ela confessou o crime e disse que planejou matar Lidúina depois que viu um extrato bancário no valor de R$ 60 mil na quarta-feira (27) de novembro. Após confessar o crime, a diarista contou para a policia que mais duas pessoas ajudaram no plano, sua companheira e mais uma amiga.

Erechinese é presa por ajudar companheira matar patroa por dinheiro

De acordo com a Polícia Civil, o crime foi arquitetado pela diarista uma semana antes, quando encontrou um extrato bancário de Liduina Maria Júnior Rios, de 60 anos.

Com a ajuda de duas comparsas, Maria Aparecida Pereira do Nascimento, de 30 anos, deu continuidade ao planejamento do crime no dia 27 de novembro. Em depoimento, a diarista disse que abriu a porta da casa da vítima para a companheira e mais uma amiga.

Em seguida, tentaram dopar Liduina com remédios. Primeiro, elas tentaram dar suco com remédios triturados, porém, a vítima se recusou a beber. Nesse momento, as três mulheres obrigaram a mulher a engolir os comprimidos.

Quando estava dormindo, elas tiveram acesso à conta bancária de Liduina novamente e viram que restavam apenas mil reais dos R$ 60 mil vistos anteriormente. Nesse momento, a diarista matou a patroa.

Trio roubou objetos da casa após plano ser frustrado

O corpo foi encontrado pelo filho, horas depois, amarrado, amordaçado e com duas lesões de faca no pescoço. Como não havia sinais de arrombamento, familiares desconfiaram desde o início da diarista, que foi contratada recentemente.

Depois de matar a patroa, a diarista e a dupla roubaram diversos objetos da casa de Liduina, como, por exemplo, jóias, relógios e até produtos de higiene pessoal.

Segundo a polícia, o objetivo da diarista era roubar o dinheiro e fugir para Erechim, terra natal de Adriana. A polícia também descobriu que outros clientes de Maria Aparecida relataram o sumiço de pertences após o trabalho da suspeita.

O conteúdo do RS Agora é protegido. Você pode reproduzi-lo, desde que insira créditos COM O LINK para o conteúdo original e não faça uso comercial de nossa produção.

Notícias da Semana